• Tendência Inclusiva

EDUCAÇÃO INCLUSIVA SOCIAL E TRANSFORMAÇÃO DO MEIO


A crise econômica chegou ao Brasil trazendo o aumento do desemprego e, consequentemente, de furtos. Muitas famílias estão desesperadas para honrarem suas obrigações financeiras. Com isso, há a facilidade de muitos adolescentes entrarem no tráfico de drogas e de assaltos à mão armada.

Os menores de idade que são flagrados pela polícia, ficam sob a responsabilidade da Fundação Casa. Conforme o grau de periculosidade e do comportamento do jovem, alguns conseguem liberdade assistida e, até fazer cursos profissionalizantes como medida socioeducativa.

Assim, podemos falar sobre o Educador Inclusivo Social, que é importante para atuar como mediador e facilitador para esta mudança. Ele está em escolas profissionalizantes, que geralmente são oferecidas para jovens a partir dos 14 anos de idade. Além da capacitação técnica, há um trabalho de transformação do comportamento e de questões intrapsíquicas do jovem, com o foco no desenvolvimento e no bem-estar dele e da sociedade. Mas antes, há todo um processo seletivo do educador, sendo os requisitos básicos:

  • Ter um olhar diferenciado sobre o Ser Humano, acreditando no potencial do jovem e em sua transformação;

  • É preciso ter coragem, motivação, responsabilidade, comprometimento e ter claro qual o seu papel no projeto;

  • É de extrema importância que este profissional seja valorizado pela sua equipe e por quem o contrata;

  • Importante que o profissional seja capacitado e tenha o treinamento necessário;

  • Não ter preconceito e saber que alguns comportamentos e pensamentos dos jovens foram influenciados pelos meios ambientes nos quais convivem. Mas, se em alguns casos forem de saúde mental, há a necessidade de o jovem ter acompanhamento de profissionais da saúde, como psiquiatras, psicólogos, terapeutas, além de avaliar se a pessoa não coloca em risco a sua integridade física e nem a de quem estará ao seu redor. Dependendo do caso, não é uma questão de preconceito do profissional da educação, mas sim da realidade do jovem no momento.

  • Saber que para a excelência desse trabalho, há a necessidade da união da equipe multidisciplinar, como com psicólogos, assistentes sociais, educadores, profissionais da saúde, liderança do local e FAMÍLIA. Na maioria dos casos, há a necessidade de trabalhar com a família, também.

“Trabalhando para o desenvolvimento do outro, o nosso ambiente também evolui, e tudo acaba retornando para nós mesmos e para a sociedade em geral”.

Luciane Midori Kadomoto Bezerra

Psicóloga e Educadora Inclusiva

CRP 06/88163

Revisão: Sílvio Carvalho


#lucianekadomoto

© Copyright Tendência Inclusiva  2014 / 2020