• Tendência Inclusiva

ESPAÇO CIDADANIA E SEUS PARCEIROS.



Integrantes da Tendência Inclusiva conheceu o Espaço da Cidadania em eventos, como o da Reatech de 2011, Feira Internacional de Tecnologia em Reabilitação e Acessibilidade, ao assistir palestras sobre a inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho e Lei de Cotas. Desde então, foi apaixonante ver como este grupo não mede esforços para mediar e facilitar em prol ao ambiente de trabalhos mais Humanizados, com o olhar de igualdade a todos os trabalhadores, incluindo com qualidade as pessoas favorecidas pela Lei de Cotas 8213/91.


Como este grupo está nos bastidores de muitas ações sociais, a Tendência Inclusiva resolveu entrevistar o coordenador Sr. Carlos Clemente.

Tendência Inclusiva (Luciane): Quando, como e onde surgiu o Espaço da Cidadania?

Clemente: Ele surgiu em fevereiro de 2001, com o apoio do Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco e Região, aproximando empresas, sindicatos, entidades especializadas, escolas, órgãos públicos e outros setores que atuam pelo reconhecimento da dignidade e potencialidade das pessoas com deficiência.

Tendência Inclusiva (Luciane): Clemente, você é um exemplo de liderança democrática que, por anos, consegue fomentar ações e projetos sociais. Por quê você escolheu se dedicar ao favorecimento da inclusão das pessoas com deficiência para o mercado de trabalho?

Clemente: A escolha foi uma feliz coincidência. Durante 22 anos (1978-2000) sempre acompanhava as desculpas utilizadas por várias empresas para não receberem de volta seus acidentados que ficavam afastados por longo período pela Reabilitação Profissional, e que já eram empregados delas! No começo de 2001 tive a oportunidade de ser autor de um projeto de acessibilidade no município de Osasco e, ouvindo as pessoas com deficiência, percebi que o sonho de ser respeitado como trabalhador era um desejo da maioria. Desde então unimos mobilização social com estudos que demonstravam que o preconceito era a grande barreira à inclusão... e lá se vão 16 anos.

Tendência Inclusiva (Luciane): Quem são os parceiros que sempre estão no Espaço da Cidadania e quais os projetos que já conseguiram conquistar?

Clemente: Os parceiros do Espaço da Cidadania estão em vários setores tais como sindicatos, escolas, entidades especializadas, empresas, poder público, etc., que acreditam que é possível alavancar a inclusão com a derrubada de mitos e preconceitos sobre deficiência e trabalho. Há um grupo de pessoas que agem na maioria das vezes anonimamente para garantir a qualidade das reuniões, de publicações e na definição de temas que “viram a bola da vez”.


Tendência Inclusiva (Luciane): Ano passado iniciou-se o Programa ‘Diálogo sobre a Empregabilidade da Pessoa com Deficiência’ e este ano teremos a segunda edição. Onde acontecerão os ‘Diálogos’, quando começou e quando terminará? Com qual objetivo foi criado este programa?

Clemente: Os “diálogos” são uma evolução do que foram os programas de Sensibilização ocorridos em 2005, 2007 e 2010. Nos “diálogos” é valorizado o repertório de conhecimento que cada participante tem, através da atuação dos facilitadores dos encontros.

O Programa Diálogo sobre a Empregabilidade da Pessoa com Deficiência deste ano terá 3 fases:

  1. Diálogos Regionais;

  2. Visitas a casos exitosos;

  3. Seminário de conclusão.

A primeira fase começou no Senac de Osasco (05/04), passa pelo Sincovaga em São Paulo (11/05), caminha pela Apae de São Carlos (27/05), Chega na Senac de Limeira (20/06), dá uma esticadinha em São Caetano do Sul (22/06), e chegará no Senac de Jundiaí em 30/06. Há chances de ocorrer mais um diálogo regional até a 1ª quinzena de julho.

Os participantes da primeira fase sugerirão o roteiro de visitas e em seguida nos encontraremos no 3º trimestre para o seminário de conclusão. O principal objetivo do programa é o empoderamento dos participantes para reconhecer que todas as pessoas, quer tenham deficiência ou não, podem ser produtivas e contribuir para o desenvolvimento da sociedade, desde que sejam tratadas com igualdade de oportunidade.


Tendência Inclusiva (Luciane): Para finalizar a nossa entrevista, que frase você deixa como legado para as próximas gerações?

Clemente: Há um lema do movimento das pessoas com deficiência que é atual hoje e o será nas próximas gerações: “nada de nós, sem nós”.

A Reatech acontece todo ano na capital de São Paulo. Veja algumas fotos da feira neste ano!

Fotos tirada por Luciane Kadomoto para Tendência Inclusiva


Luciane Kadomoto é Psicóloga, pós-graduada em Educação Inclusiva e Deficiência Intelectual pela PUC SP, especialista em inclusão de Pessoas com Deficiência para o mercado de trabalho, docente do Senac Jundiaí, professora de Psicologia, Relações Humanas e inclusão em cursos de Administração, Orientadora e Consultora de educação inclusiva. Psicóloga Clínica. Atuante na área desde 2004.

kadomotolucianemidori@gmail.com

#lucianekadomoto

© Copyright Tendência Inclusiva  2014 / 2020