• Tendência Inclusiva

ROUPAS PARA O TRABALHO


Poucas roupas tem que ser tão bem elaboradas quanto as roupas que usamos para trabalhar, principalmente se lidamos com o público e estamos em locais mais formais. Pode parecer óbvio, mas vejo erros gritantes em mulheres que simplesmente perderam o bom senso. Confira!


A primeira regra clara para não fazer feio é observar o comprimento das saias. Não importa se tem pernas lindas, bronzeadas ou se você está no auge dos seus 20 e poucos anos. Mini saia é para locais informais, como festas, praias, clubes, saidinhas básicas, NUNCA para levar o memorando para o chefe. Uma cruzada de pernas pode ser fatal – não no sentido de Instinto Selvagem – e deixar constrangido quem estiver por perto, além de limitar os movimentos e desviar os olhares. Portanto, desça as saias! Ou melhor: as barras das saias.

Barriga de fora: jura? Juro. Impressionante como tem gente que teima em mostrar até o umbigo nos corredores do poder. Quando a barriga é sarada, bonitinha, é até legal de se ver, mas sempre e totalmente incoveniente. Barriga de fora pode quando: você tem menos de 30, sua barriga é firme e convexa e você está em uma bar em Santa Tereza. Ou na Savassi, sei lá. Mas mesmo assim, CUIDADO: quem mostra demais, dá liberdade demais. Depois não diga que Carol não avisou! Parcimônia, garotas…

Outra coisa que me impressiona é a falta de classe na hora de usar um salto. Tudo bem que é chique, fundamental em algumas ocasiões, mas é preferível comprar uma sapatilha mais elaborada do que parecer um cowboy com assaduras. Se você precisa mesmo, aprenda! Cursos de passarela tem de montão em Belo Horizonte e até eu mesma sei ensinar. Para despistar um pouco, uma ótima opção são os saltos mais grossos, as meias patas e as pulseirinhas em volta do tornozelo: todas dão mais firmeza no andar.

Decotes… quanta vulgaridade! Ainda prefiro um soutien aparecendo – que não é nada bonito – do que peitos pulando, pois é essa a nítida impressão que algumas pessoas me passam. Com essa onda de siliconar então…Colocar peito ficou mais comum e fácil do que fazer as unhas! Parece que o escritório virou local de “footing” (desenterrei…) e o alvo passa a ser conseguir um namorado e não uma promoção. Além do mais, seios a mostra é vulgar no trabalho e em qualquer outro lugar. Comportem-se moçoilas!!!

Roupas transparentes chegam a ser inconvenientes, apesar de estarem quase sempre na moda, o que é um perigo. A moda não é para todo mundo, hello! E o pior é que as criaturas que teimam em usá-las mostram muito mais do que precisam mesmo: gordurinhas, pneuzinhos e outros “inhos” por aí. Transparência pode até ser discreta quando bem usada: sempre com um top ou blusinha por baixo e em seres no mínimo, no peso ideal. Lembrem-se: o que é BONITO é para se ver!

Calças que só saem com acetona não deveriam existir, mas como já fui uma adepta dessa onda errada (como algumas outras, lógico) e algumas mulheres acham isso o máximo, aviso: NÃO usem essa invenção diabólica no seu ganha pão. Calças retas e mais larguinhas são muito mais chiques e interessantes, como as de alfaiataria, além de deixarem os poros respirarem principalmente no verão. Meu lindo primo, que também é ginecologista, avisa que mulher precisa usar mais saia, por questões de saúde – em primeiro lugar – e de feminilidade, sempre. Aproveitem!

Muita informação é outro fator preocupante. Não interessa se você ama acessórios, guarde-os para a balada, principalmente os mais chamativos. Dizem que devemos usar no MÁXIMO 7 extras, contando com bolsa, relógio e óculos. Então, se você está também com brincos e anel, precisa de mais o quê? No máximo um colar OU uma pulseira, dependendo do tamanho do brinco: se pequenos, ouse no colar; se grandes, se esmere na pulseira. E só!

Estampas muito alegres ou roupas mais clean? Depende muito do seu cargo, do seu estilo e de onde você trabalha. Mas existem regrinhas de ouro para alguns casos: em reuniões, evite cores muito berrantes, pois o ar é de seriedade. Se precisar passar uma postura mais austera, abuse dos cinzas, verdes e azuis escuros. Quando quiser ser mais acessível, ter mais adesão das pessoas, use cores quentes, como os laranjas e vermelhos: elas passam uma idéia de energia e vitalidade. Lógico que nada precisa ser muito extremo. Um terninho cinza com uma camiseta pink mostra que você é ao mesmo tempo eficiente e feminina. Ou seja, todas nós! Bom trabalho.

Quer uma palestra sobre esse tema na sua empresa?

Segue meu contato abaixo.


Carol Meyer é Escritora, designer de joias, consultora de imagem e marketing pessoal, produtora de moda e pós graduanda no curso Design de Moda do SENAI CETIQT. Consultora da coluna da Anna Marina do jornal Estado de Minas, além de participar de especiais de produção e temas no Caderno Feminino, dentre outros jornais e revistas; jurada de vários concursos de moda e beleza das principais faculdades de Minas; palestrante de empresas, órgãos públicos e faculdades de Minas. Presta assessoria de figurino para shows e filmes e é criadora e administradora do Dicas da Carol, que hoje também está no Portal UAI.

www.dicasdecarol.com.br

www.facebook.com/dicasdecarol

www.instagram.com/dicasdacarolmeyer

#carolmeyer

© Copyright Tendência Inclusiva  2014 / 2020